sábado, julho 10, 2004


O Poder do Convencimento

Combinação de artistas e vendedores, os publicitários e os profissionais de marketing projetam-se no mercado à medida que cresce a competição. Não basta ter um bom produto nas mãos, é preciso convencer as pessoas disso. Ou mais: com uma idéia inteligente e bem executada, esses profissionais são capazes de criar uma imagem que faça o produto vender. Por aí, dá para calcular o valor desses profissionais para setores como a indústria e o comércio. Ter o dom de construir ou modificar imagens é um atributo que interessa também aos políticos – o que favorece o mercado de trabalho para os publicitários nos anos eleitorais.
Embora na prática nem sempre seja possível fazer tal distinção, as atividades do publicitário e do profissional de marketing são complementares. Enquanto o primeiro cuida da criação da propaganda, o segundo está mais envolvido no processo de venda, que inclui identificação de mercados consumidores e estratégias de abordagem desse público.

Quando se fala em publicidade, montar uma boa campanha é, sobretudo, um trabalho de equipe. Faz parte do planejamento saber qual o retorno que o cliente espera do produto, realizar pesquisas de opinião com os consumidores, definir o público-alvo e perfil dos veículos que serão usados para a divulgação. Em geral, a criação da peça publicitária fica por conta de dois profissionais, um ligado ao texto e outro à imagem.

Ao definir os meios de comunicação (televisão, jornais, outdoors etc.) em que será veiculada a propaganda, o profissional precisa levar em conta fatores como a audiência ou a tiragem (número de exemplares vendidos) e o perfil socioeconômico do público atingido.

“O publicitário deve compreender o meio e as pessoas”, ensina Luiz Fernando Garcia, diretor do curso de Comunicação Social da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). “Ele deve ter uma noção da dinâmica do mercado e compreender as bases do comportamento humano.” Garcia acredita que, para um publicitário se dar bem na área, vale a mesma lição do marketing: “Faça melhor ou faça diferente.”

O mercado de trabalho para os publicitários divide-se basicamente entre agências de propaganda, departamentos de marketing de empresas e veículos (rádios, jornais, TVs, revistas). A área de criação nas agências é a mais restrita e, conseqüentemente, a concorrência é mais acirrada.

Apesar de atraente, a função criativa pode ser muito estressante, principalmente quando é preciso ter uma idéia genial em 24 horas. Nas empresas, há maior possibilidade de se arrumar trabalho e boas perspectivas são encontradas na área de gerência de produtos, na qual se tem uma visão de todo o processo. Há uma tendência dos profissionais em se especializar em uma das diversas etapas do trabalho em Publicidade e Propaganda: atendimento, pesquisa de mercado, planejamento, redação, mídia, criação e arte. Os recém-formados começam trabalhando com atendimento a clientes, pesquisa e mídia.

As disciplinas para Publicidade passam por teoria da comunicação, fotografia, criação, redação publicitária, mercadologia, pesquisa, produção de rádio, tv e cinema. Para se atualizar nas técnicas do mercado, muitas faculdades mantêm cursos de extensão voltados para marketing, criação, fotografia, direção de comerciais, entre outros.

Um novo espaço se abre com a internet. A linguagem, os recursos e até o público têm diferenças significativas em relação aos meios de comunicação convencionais. De qualquer forma, os postos de trabalho nessa área têm sido preenchidos por publicitários oriundos das mídias impressa e televisiva. Os salários iniciais dos publicitários estão em torno de R$ 1,5 mil.

Apesar de ser geralmente confundida com a Publicidade e a Propaganda, a área de Marketing vai além desse universo. Estreitamente ligado também às atividades de administração, o marketing deve não só “descobrir o que o mercado quer”, e satisfazer esses desejos, mas fornecer “o que o mercado ainda não sabe que quer”. Ou seja, antecipar-se aos potenciais consumidores. Por isso, o profissional de marketing deve ser um estudioso do mercado consumidor e não ter medo de inovar, o que implica correr riscos. Precisa formar uma visão de conjunto do produto, desde a tecnologia até a estratégia de propaganda e comercialização e também estar de olho na concorrência.

+ alguns pequenos detalhes

O publicitário tem seu principal mercado de trabalho nas agências de publicidade, onde, além de participar do planejamento geral, exerce as atividades específicas de atendimento, criação, produção e operação de mídia.
O profissional de atendimento faz a ponte entre a agência e o cliente que deseja fazer uma campanha. Esta é desenvolvida pelos profissionais de criação, basicamente os redatores e diretores de arte, que se encarregam dos textos e da apresentação gráfica das diversas peças.

Depois de criadas, as idéias de uma campanha são materializadas pelos profissionais do setor de produção, que cuidam da confecção, em gráficas e produtoras, de fotolitos para anúncios em jornais e revistas, jingles ou spots para rádios e vetês para as televisões, além de matrizes para outros tipos de peças, como outdoors, cartazes, folhetos, volantes, banners etc.

A veiculação de campanhas nos meios de comunicação é tarefa dos profissionais de mídia, cuja atividade se pauta por uma estratégia em que se levam em conta a escolha dos veículos mais apropriados e a verba existente.

O profissional de Publicidade e Propaganda se faz presente também em agências de promoção de vendas, institutos de pesquisa de mercado, produtoras de filmes publicitários, empresas de comunicação empresarial e departamentos de marketing e comunicação corporativa de grandes empresas, além de exercer o magistério nos cursos superiores da área.

Atualmente o uso da Informática e das Novas Tecnologias de lnformação é indispensável aos profissionais e agentes publicitários.

posted by Iris • IFD @ 10:38 PM



 

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner