quinta-feira, julho 22, 2004


A origem do termo design

O termo design vem do inglês, tendo como base o latim designare, de e signum (marca, sinal) significando desenvolver, conceber. A expressão design surgiu no século XVIII, na Inglaterra, como tradução do termo italiano disegno, mas somente com o progresso da produção industrial e com a criação das Schools of Design, é que esta expressão passou a caracterizar uma atividade específica no processo de desenvolvimento de produtos.

Atualmente, industrial design vale tanto como conceito industrial ou de produto. Industrielle Formgebung (alemão), estetique industrielle (francês), diseño industrial (espanhol), technitscheskaya Estetika (russo), etc. (BOMFIM, 1995:3)

Como uma solução possível, a classe dos profissionais adotou design, em inglês, e foi assim que a mais recente proposta para o reconhecimento da profissão foi submetida ao Congresso Nacional (1993). Tal decisão foi referendada pelos profissionais e estudantes da área durante o V ENDI (Encontro Nacional de Desenhistas Industriais), realizado em 1988 em Curitiba, no Paraná.
Os argumentos a favor do uso do termo design giram em torno da nítida separação entre técnicos (desenhistas) e projetistas criadores (designers) e ainda no uso internacional do termo. Este é um argumento de peso, especialmente na América Latina, onde os profissionais adotaram diseñador e diseño e nos países europeus e nos Estados Unidos, onde designer e design tem sido inequivocamente associados à área.

A adoção desta nomenclatura supõe que design signifique o planejamento de produtos para diferentes indústrias, sendo cada tipo de planejamento identificado pela indústria fim: design industrial para o projeto de produtos; design gráfico para o projeto de produtos gráficos; design têxtil para o projeto de tecido e assim por diante.

As primeiras escolas de Design, estabelecidas nos anos 1960, responsáveis pelo batismo da profissão emergente, optaram pelo termo Comunicação Visual, sendo o profissional o comunicador visual. Quando da projetada adoção de Design para denominar os cursos, algumas escolas adotaram design industrial para projeto de produto e conservaram comunicação visual para design gráfico. O currículo mínimo dos cursos, aprovados pelo Ministério da Educação, nomeia o genérico de desenho industrial, sendo a programação visual a área relativa ao projeto de artefatos gráficos. Neste caso o profissional é desenhista industrial com habilitação em programação visual ou programador visual.

O ICOGRADA ( Internacional Council of Graphic Design), em seu comitê para a Educação em Design Gráfico para a América Latina, considerou design gráfico e comunicação visual como sinônimos.

O que é design
Entende-se por design a melhoria dos aspectos funcionais, ergonômicos e visuais dos produtos, de modo a atender às necessidades do consumidor, melhorando o conforto, a segurança e a satisfação dos usuários. O design é uma ferramenta que permite adicionar valor aos produtos industrializados, levando a conquistas de novos mercados.
As empresas têm usado o design como poderoso instrumento para introduzir diferenciações nos produtos e destacar-se no mercado, perante os seus concorrentes. Hoje ele é um dos principais instrumentos para as empresas competirem nos mercados nacional e internacional.

Como se manifesta
O design se manifesta, principalmente, através de duas qualidades: funcionalidade e estilo. As pessoas sempre associam design ao bom gosto, a algo bem feito. Os melhores recursos que temos para descobrir o design são os nossos sentidos, principalmente os da visão e do tato, empregados no uso do produto ou serviço.

Outras formas de design
Nos últimos anos, novas modalidades de design tem sido inseridas no cenário profissional tais como o design ambiental, que procura reduzir o impacto causado pela produção em escala industrial sobre o meio ambiente, promovendo a utilização de materiais alternativos, a combinação de diferentes matérias-primas e evitando o desperdício; o design cênico, que projeta palcos para teatro, música, balé, cenários para cinema e produções de TV; o webdesign, que projeta websites e apresentações gráficas para a Internet; o design de vitrines, cujo trabalho é aplicado nas lojas, melhorando a exposição dos produtos, atraindo consumidores e facilitando as vendas e o design de interfaces, que projeta as telas dos programas de computador.

Bibliografia

- BOMFIM, Gustavo Amarante. “Idéias e formas na história do Design”. UFPB, João Pessoa, 1998.
- CUNHA LIMA, Edna. "Design Gráfico, um conceito em discussão". Anais do P&D Design 96. p.25-33.

posted by Iris • IFD @ 8:31 PM



 

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner