terça-feira, janeiro 10, 2006


Como não ser um “webdesigner” e ser um bom criativo

Gostaria de parabenizar todos os envolvidos nesta nova fase do projeto do Young Creatives. Com certeza, o projeto terá uma dimensão nacional, e o pessoal do Young Creatives terá muito mais trabalho do que eles imaginam.

Comecei a pensar como fui parar no Young Creatives de 2003. Como todo publicitário, coloquei na minha cabeça que eu seria um diretor de arte fazendo anúncios e vendo provas de cromalim. Talvez um dia fizesse um grande filme publicitário para o intervalo da novela das oito. Enfim, seguir o que parecia ser a única highway para um diretor de arte.

No entanto, a nossa vida dá voltas que abrem portas. Fui parar por acaso na internet graças a uma grande amiga, redatora e dupla em três agências, a Stela. Ela estava na Ogilvy Interactive e me convidou para trabalhar com ela criando campanhas para os clientes na internet. Bom, tudo indica que deu certo e aqui estou eu até hoje.

Pergunta: vocês já pararam para pensar que um diretor de arte pode trabalhar com a propaganda tradicional e a propaganda online? Os métodos de criação e os resultados dos trabalhos são iguais. Na minha opinião, um completa o outro. Na internet, tudo pode ser mais interativo, isto é, divertido.

Por exemplo, quando criamos um anúncio, partimos de uma folha de papel sulfite em branco e um lápis. Imagine como seria o mesmo procedimento na internet. Pegue essa folha e coloque sobre a tela. Isto mesmo, coloque sobre a tela e pense na idéia.

Agora, pense nas oportunidades que a internet oferece: imagine que o internauta vai conseguir rasgar, amassar aquela folha, pintar de qualquer outra cor. Se quiser, imagine que você pode ter quantas folhas você quiser em seqüência (algo impossível de se pensar em uma mídia tradicional antes que o diretor de mídia da agência mate você!). Ou seja, é impossível colocar limites quando se cria para a internet, devido a um elemento. A interatividade.

Você é redator? Deve estar pensando o que fazer na internet já que o título mais complexo que você já viu é “Clique Aqui”. Pense que, além de criar títulos bem melhores que o citado e pequenas frases, o redator é tão importante quanto o diretor de arte no processo de criação. Além de campanhas publicitárias, existem diversas formas de impactar o usuário na internet como em ações virais, jogos online, etc. Tudo isso parte dos criativos envolvidos.

Foi-se o tempo em que o criativo era submetido a simplicidade de um banner. Talvez o formato mais infeliz que a internet já criou, o banner 468 x 60, atualmente tem o seu fim bem próximo já que os criativos aprenderam a utilizar a internet de outras formas mais inusitadas do que os banners.

Aí vocês me perguntam: “Bom, eu vou ficar fazendo botões para as pessoas criarem? Eu quero fazer filme de 30 segundos para passar na TV!” Você já imaginou que na internet você não precisa fazer o seu filme em 30 segundos? Pode ser de um, três minutos, se quiser? Como seria mais fácil colocar uma idéia nas ruas sendo que você poderá ter toda a liberdade de enviar para quem quiser o seu filme pela internet. Aposto que todos vocês recebem vídeos diariamente. Detalhe: existe uma categoria em Cannes chamada “Viral Videos”, ainda pouco explorada pelos criativos.

Ou seja, a internet é uma excelente opção para os criativos porque ela mesma está crescendo e se desenvolvendo. Os criativos são bombardeados por novas informações o tempo todo. E nada melhor do que esse aprendizado constante para instigar a criatividade.

Acredito que a convivência entre criativos da propaganda tradicional e criativos da internet é altamente recomendável para se criar algo novo a cada job. Cabe a vocês, criativos, explorarem esta mídia que a cada dia ganha mais funcionalidade e potencial.

autor: Sergio Mugnaini
fonte: http://www.youngcreatives.com.br

posted by Iris • IFD @ 10:19 AM



 

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner