segunda-feira, janeiro 16, 2006


Quero um site igual ao da concorrência

Aparece um cliente que pede um site parecido com os dos concorrentes. O problema é que são todos muito ruins. E agora? Você vai ter que mostrar a ele o valor da informação e da diferença.

Um novo cliente entra em contato e passa para você várias referências e links dos sites dos maiores concorrentes dele.

Você, como um bom e experiente profissional, logo percebe que são praticamente inúteis. Sites elaborados sem nenhum conhecimento em design, sem noção de interatividade, usabilidade. E o conteúdo, que lástima. Textos mal estruturados, mal revisados.

São sites que não passam nenhuma credibilidade. Colocam uma “máscara feia” em tudo que a empresa pode oferecer de bom, de inovador. Jogam o dinheiro do investidor no lixo.

Mas você prossegue lendo o e-mail do cliente e vê a bomba cair:

– “Gostaria que analisasse os sites de nossos maiores concorrentes, pois gostaríamos de utilizar o que há de melhor neles, e logicamente, inovar...”.

Aí você pensa: “Inovar o quê? Isso tudo tem que ser jogado fora, nada aqui pode ser considerado útil...”

Mas calma, não é bem assim. São importantes as referências desse tipo, pois temos uma ótima arma para defender nossas belas idéias, além de analisar as falhas e os acertos ocorridos. Sempre com ética e respeito ao trabalho de outros profissionais.

Mas como explicar isso para o cliente que teima em seguir pelo mesmo caminho? Quais os argumentos que um bom profissional deve ter para não ser “obrigado” a desenvolver algo desse tipo?

Bom, já percebemos alguma coisa errada. A empresa claramente não obtém retorno pelo investimento. Porque nenhum investimento é feito sem pensar em retorno, seja financeiro ou de outra espécie.

Portanto, este é um ponto importante a ser focado. O cliente precisa perceber que não se trata apenas de um “site”, mas de uma extensão da empresa, aberta 24 horas, todos os dias da semana, feriados inclusive. É a face da empresa exposta o tempo todo para quem quiser ver. Assim ele entende que é preciso passar uma boa imagem.

– Boa imagem? Olha esse site, por exemplo, é nosso maior concorrente: limpo visualmente, mas com muita informação: tem um formulário de contato, importante para a comunicação entre o visitante e a empresa, uma vinheta em Flash quando entra que fortalece a marca da empresa etc.

Você respira e conta até dez. Com muita calma, cita alguns senões e o que tem em mente para que sejam solucionados:

1. Site limpo não quer dizer que seja vazio. Desde que as informações estejam bem dispostas, qualquer interface bem estruturada pode ser considerada limpa;

2. O formulário de contato é apenas mais um meio de obtenção de informação e não pode ser considerado o único. E as informações disponíveis no site – os serviços da empresa, a área de atuação – necessitam estar bem dispostas para que não gerem dúvidas que poderiam ser evitadas. Assim, o formulário de contato não precisa ser um “canal de dúvidas” e sim um meio efetivo de contato.

3. Vinheta em Flash. Ela está realmente fortalecendo a marca da empresa? É realmente funcional ou será que está lá somente aporrinhando a pessoa que está atrás de informação?

Informação é tudo. É como isso que devemos nos preocupar inicialmente. Certa vez Percival Caropreso, da criação da Mccann-Erickson, esteve aqui em Piracicaba. Mesmo sendo designer, concordo plenamente com o que disse: “Se for preciso disponibilizar o número de telefone e endereço de uma empresa, gigantes num outdoor, por exemplo, e com isso ser funcional, não podemos nos apegar ao design, tratemos primeiramente da informação”.

Sábias palavras. Trate com muito carinho as informações do seu cliente. Estude cada caso, pois nenhuma informação é igual, nenhum público é igual, nenhuma empresa é igual. Cada uma precisa ser tratada de forma diferente.

Proponha um site dinâmico e apresente uma maneira simplificada de atualização. Contrate um bom redator para web (ou webwriter). Ele saberá dispor as idéias de forma simples e eficaz.

Mostre para o seu cliente que a informação deve ser bem tratada. A sua experiência de prestador de serviço tem peso e deve ser valorizada. É seu papel oferecer o que há de melhor para ele.

autor: Evandro Temperini
fonte: [Webinsider]

posted by Iris • IFD @ 10:42 AM

2 Comments:

Anonymous Jean said...

Otima materia... falo tudo, mas agora tira essa proteção do botao direito do mouse pq é ridicula... desculpe-me pela palavra, e parabens pelo blog(fora o botao direito) ta muito bom e com um conteudo legal. ;)

8:10 AM

 
Blogger IFD said...

oi jean ridicula nao é - é apenas pra vc ter a ATITUDE de ir até o site q peguei a materia e pegar por lá - e aproveitar e ler outras materias do site fonte ;)quer de mao beijada pegar a materia e usa-la né ;)rs - se eu fui até o site fonte naveguei na net pra apostar algo legal por aqui faça o mesmo ;) navegue ache algo legal nao só copie ;)te garanto q será melhor pra seu aprendizado!!!!

10:33 AM

 

Postar um comentário

<< Home



 

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner