terça-feira, maio 02, 2006


Cérebro em função da publicidade

Na hora de lançar um produto, uma das dificuldades dos publicitários é saber qual direcionamento vão dar à campanha, com a finalidade de alcançar o público-alvo. Atingir com precisão o consumidor, por meio dos recursos da propaganda, é um verdadeiro desafio. Escolher o caminho errado pode gerar prejuízo tanto para os clientes como para as agências. Mas como fazer a coisa certa? A solução para acertar na hora de definir o posicionamento de uma campanha está na tecnologia. Avanços da medicina e os estudos das percepções já permitem, hoje, identificar o comportamento do público mediante uma marca ou comercialização de um produto ou serviço. Trata-se do neuromarketing, uma nova ferramenta de marketing, que apropria-se de tecnologias utilizadas na Neuromedicina, como a Imagem de Ressonância Magnética (IRM), para saber quais produtos agradam e quais os mais evitados antes de lançá-los no mercado.

Em suas pesquisas os neuromarqueteiros utilizam os aparelhos que fornecem imagens do cérebro para saber que áreas são ativadas quando a pessoa é exposta a marcas, produtos, imagens ou falas de políticos. Desta forma, ao detectarem as emoções pode-se produzir respostas e campanhas concretas. Na opinião do coordenador do curso de Marketing no Varejo do Centro Universitário Senac, Luiz Cláudio Zenone, o neuromar- keting traz novos conceitos e a metodologia necessária para que as empresas não apenas sobrevivam às turbulências de mercado, mas adquiram vantagens com- petitivas que permitam crescimento nos negócios. “Esses conhecimentos das reações do consumidor podem se transformar na fórmula mágica para levar o cliente a uma atitude desejada pelas organizações”, afirma Zenone.

Os primeiros estudos sobre neuromarketing foram nos anos 90. O médico Berry Zaltman da Universidade de Harvard, foi pioneiro no desenvolvimento de pesquisas nessa área. Em 2001, a empresa americana de marketing Bright House, de Atlanta, que tem como principal cliente a Coca-Cola, passou a explorar comercialmente esse filão de mercado. No cenário político, pesquisadores da Universidade da Califórnia também utilizaram as descobertas para testar a aceitação ou rejeição do público frente aos candidatos.

Polêmica
Embora os profissionais de marketing sejam usuários pioneiros de novas tecnologias, no Brasil, aparen- temente, ainda persiste grande desconhecimento a respeito dessa nova ferramenta, principalmente nos meios empresariais. Vários aspectos relacionados a esse tema continuam obscuros, e isso dá margem a interpretações dúbias. “É ética essa atitude? O risco está no fato de que as empresas comecem a investigar nossos cérebros, mapeando as atividades neurais que conduzem o processo de escolha de um produto ou marca”, disse Zenone, em tom interrogativo. No entanto, profissionais envolvidos nessas pesquisas negam que o conhecimento do consumidor mediante o neuromarketing possa modificar o comportamento, uma vez que o processo serve apenas como mais um estudo de mercado.

Para o médico neuroradiologista do Hospital das Clínicas, Edson Amaro Júnior, esse tipo de exame ainda não pode ser usado como uma das ferramentas estratégicas mercadológicas para detectar o gosto e perfil do consumidor. “É difícil predizer o que as pessoas gostam e o que querem consumir.” Segundo ele, os marqueteiros de plantão tendem a se aprofundar no estudo do cérebro humano para que, no futuro, essa possa ser uma estratégia para se chegar ao bolso dos consumidores. O médico, conhecido nacionalmente por seus estudos neuroradiológicos, pesquisa atualmente como os exames radiológicos podem flagrar o que se passa no cérebro humano. Unidos aos seus trabalhos, publicitários e comunicólogos têm se esforçado na compreensão da emoção dos clientes. Só para se ter uma breve idéia, num desses trabalhos, pesquisadores notaram que voluntários testados reagiam às imagens violentas com uma atividade maior do cérebro, em relação a quando eram expostos a cenas de terror.

fonte: http://www.diarioweb.com.br




Dicas de Materia
Neuromarketing: a nova modalidade da Ciência
Marketing: neuromarketing ajuda a explicar o comportamento do consumidor
Pesquisa revela impacto da propaganda sobre o cérebro
Marketing e as tecnologias de hoje e do futuro
Novas técnicas permitem ver cérebro em atividade
Marca vale tanto quanto sabor
Telepatia hi-tech
Neurônios que compram - matéria bem completa da revista AMANHÃ

posted by Iris • IFD @ 10:31 AM



 

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner