sexta-feira, agosto 25, 2006


Por enquanto não...

Você já parou para assistir aos programas do horário eleitoral obrigatório? Não? Eu também não. Juro que comecei até a me sentir culpado, afinal, tenho que participar da vida política do meu estado, do meu país. Não posso agir como um alienado, alguém que não está nem ai para o que os candidatos têm a dizer e coisa e tal. Mas sabe de uma coisa? Não tenho mais saco pra isso, de tanto ouvir promessas, planos de governos e blábláblá em geral, meus ouvidos se tornaram moucos, insensíveis à cantilena pré-eleitoral.

Portanto, pra mim, não assistir aos programas eleitorais se tornou uma questão sanitária, porque nenhuma expressão os qualifica melhor do que “gratuitos”, no sentido de que não têm sentido, não têm qualquer nexo com a realidade.

Os que estão no poder pretendem nos fazer crer que habitamos o melhor dos mundos, que os nossos problemas são apenas uma questão de má-vontade nossa em não ver o quanto já melhoramos, o quanto eles, abnegadamente, já fizeram.

Os que aspiram ao poder se e’ntitulam “o novo”, como se o fato de serem novos na política fosse garantia de alguma coisa a não ser da falta de experiência. A sensação que fica, na maioria dos casos, é que só trocaríamos as moscas, mas a m....ficaria a mesma.

Ah, e tem as promessas, dezenas, centenas, milhares delas. Quem ainda se ilude com isso?

Penso que estaria na hora dos candidatos pensarem em estratégias novas de comunicação, começando por falarem e agirem honestamente. Mas ai, é pedir demais. Por exemplo, eu adoraria ouvir um candidato dizer: “Gente, a situação é a seguinte, não tem dinheiro para fazer tudo, resolver todos os problemas, por isso vou concentrar as prioridades do meu governo nas áreas da saúde, educação e segurança pública, o resto não esperem muita coisa. Vou resolver esses três problemas e por isso quero ser cobrado.” Pronto, não precisa mais. Não precisa prometer o céu na terra, basta prometer o factível, o essencial. E fazer. Imaginem só um presidente da República que resolvesse apenas esses três problemas. Seria o máximo.

Ainda não sei em quem vou votar, mas tenho certeza de que minhas dúvidas não serão tiradas nos programas do horário eleitoral obrigatório, pois como já sentenciava a sabedoria do velho Barão de Itararé: da onde a gente menos espera, daí mesmo que não vem nada!

Bom, pode ser que no mês que vem, quando a primavera chegar, eu esteja menos pessimista e consiga antever alguma esperança. Como diz resignado um amigo meu, cuja sogra tem esse nome: a Esperança é a última que morre!

autor: Julio Ribeiro
fonte: adonline

posted by Iris • IFD @ 9:47 AM

2 Comments:

Anonymous Rael B. Riolino said...

É um show de comédia...
Você vê cada candidato a deputado que da vontade de rir, para nao chorar... "Tonho da Lua", "João Cana-brava", "Chinelo"... teve um carinha la que apareceu vestido de vaca, com um mega-fone...

Peraí!? Isso é horário eleitoral ou big-brother?

Ou quem sabe, zorra total? sei la...

Só sei que não adianta assistir... são todos iguais, tudo farinha do mesmo saco...

11:28 AM

 
Anonymous Bambuzada Team said...

Oi Iris!

Realmente ta uma palhaçada esse horário eleitoral! Com certeza faltam outras maneiras de se comunicar. Tem candidato que tá feito barata tonta porque não pode fazer show sertanejo pra atrair votos! Ta uma loucura só! hehe

Mas tem alguns candidatos aí se destacando com algumas açõezinhas diferentes e saindo da rotina.

A gente blogou, já faz um tempo, sobre o partido espanhol PSC que fez uma campanha viral super bacana em seus congressos. http://marketingdeguerrilha.wordpress.com/2006/07/05/psc-utiliza-bluetooth-para-atrair-votos/

É claro que esse tipo de realidade ainda tá longe de acontecer por aqui, mas é um ótimo exemplo de como se comunicar diferente e eficientemente com seus eleitores.

Parabéns pelo blog Iris!! sempre farto em conteúdo!!

Abraços do

Bambuzada Team

2:29 PM

 

Postar um comentário

<< Home



 

Subscribe to RSS headline updates from:
Powered by FeedBurner